A Cruzada contra os Comedores de Criancinhas

No trato diário com pessoas comuns, tenho percebido que há uma legião que 1) possui um conceito bastante vago e lato do que vem a ser comunismo/marxismo; mesmo assim, 2) identifica no comunismo a maior ameaça a seu estilo de vida, seus valores estéticos e morais, e seu bem-estar; além disso, 3) considera o comunismo uma ameaça real e paupável; portanto, 4) está disposta a tratar qualquer consideração como secundária diante da ameaça comunista. Como chegamos a isso?

Alguns elementos estavam presentes desde sempre em nossa cultura moralmente conservadora. Outros foram agregados pela crise econômica, que, via de regra, abre espaço para narrativas simplistas e cria a demanda por um bode expiatório. O resto foi competência propagandística da nova direita.

Professora de filosofia

Professora de filosofia